Surfari | Surfari entrevista Seiva Boards Surfari entrevista Seiva Boards | Surfari

Surfari entrevista Seiva Boards

Surfari
Vivemos, respiramos e amamos o que fazemos

As inspirações para começar um negócio podem vir de diferentes fontes. Um esporte praticado desde a infância. Atletas lendários. Um familiar. A vontade de unir novamente dois esportes tão similares. Projetos que nascem naturalmente e criam raízes.

Impulsionados por diversas linhas criativas, os amigos e designers, Alex Scandelai e Jonathan Vasconcelos criaram a Seiva Boards, uma marca que busca produzir skates únicos, com estilo, firmeza e a flexibilidade dos movimentos de surf. O Surfari entrevistou os caras para saber como surgiu a ideia.

%name %title

Quem é a Seiva Boards?

Somos dois entusiastas de arte, design e esportes de prancha e buscamos traduzir para os shapes que produzimos um pouco do que absorvemos no dia a dia. Sempre apreciamos a estética das coisas antigas, desde letreiros até carros. Pra nós tudo que era produzido antigamente tinha um cuidado todo especial, com muita atenção nos detalhes, com isso acabavam se tornando peças únicas, de um conceito artístico muito forte.

A Seiva Boards começou instigada pela sensação de viver o passado, de criar algo com a mesma dedicação dos antigos, feito à mão, para se ter um resultado único, e encontramos na madeira a mídia ideal para expressar nossa arte, pois cada pedaço de madeira é único. Nosso nome vem justamente dessa busca pela origem, pois a seiva é o líquido que leva os nutrientes da raíz até a folha de uma árvore, ou seja, vamos até as raízes para trazer à tona o que ela tem de mais interessante.

 %name %title

Como vocês se interessaram pelo skate e qual foi o estopim para começar a produzir?

Alex: O skate sempre fez parte da minha vida, desde a infância no interior de São Paulo quanto na minha adolescência no Guarujá, litoral paulista. Acho que minha mudança pra um local com praia me incentivou ainda mais a praticar esportes menos convencionais, como o Surf e o Skate, e pra mim os dois sempre estiveram muito próximos, sendo um o complemento do outro, e vice versa.

Jonathan: Na minha infância a cultura street estava muito forte em São Paulo, mas o skate só me chamava atenção por suas formas e estampas. Meu pai é marceneiro e desde cedo tive contato com o trabalho da marcenaria. Sempre curti o jeito de como se pode dar forma à madeira e isso me influenciou muito para seguir na carreira de designer.

Alex: Trabalhei com o Jonathan em São Paulo (Capital) em 2010 e novamente em outra empresa no final de 2011. Como estava morando em São Paulo, o surf foi ficando cada vez mais esporádico, então a solução foi surfar no asfalto. Comprei um skate daqueles com shape de plástico já na intenção de fazer um rolê mais fluído e o mais próximo do surf possível, porém, não foi o que eu esperava, pois o shape era muito flexível e comprometia um pouco o desempenho, ele até fazia boas curvas, mas não tinha muita projeção dependendo de onde eu colocava o pé, enfim, não curti.

Entre diversas conversas sobre a insatisfação com o skate e a busca de algo novo, nos perguntamos se não era possível fazer um shape, afinal tínhamos a marcenaria a nosso dispor, aí a ideia tomou forma, literalmente.

Compramos os materiais, pesquisamos bastante e contamos com o auxílio do Joecy (pai do Jonathan) para produzir a primeira peça. Após shapeada, sem verniz nem nada, colocamos os trucks e rodas do skate de plástico e fomos fazer o teste. O resultado foi exatamente o que esperávamos, um shape mais firme, possibilitando um rolê muito mais agradável e ainda mais próximo do surf. Decidimos então levar essa ideia adiante e criamos a Seiva, produzindo na pequena marcenaria e fazendo o acabamento na garagem da casa. Foi assim que surgiu nossa primeira coleção, a Essentia.

No ano de 2014 decidimos buscar inspiração direto do mar e evoluir nossa produção, por isso mudamos nossa oficina e escritório pra uma casa no Guarujá, e com um melhor aproveitamento de espaço e possibilidade de experimentar novas técnicas, criamos nossa segunda e atual coleção, a Classic Collection.

%name %title

Quem são as inspirações para a Seiva (tanto pessoas próximas quanto ídolos) e vocês tiveram a mentoria de alguém pra começar?

Nossa maior inspiração no início foi o seu Joecy, por ter nos ajudado muito com seu conhecimento e por ter uma forte ligação com o espírito do “faça você mesmo”. Mesmo assim, no começo ele achava que estávamos loucos em começar a desenvolver esse tipo de trabalho com skates, tanto que quando ele disse “isso aí não vai dar certo” não ficamos decepcionados e sim com uma enorme vontade de provar pra ele que poderia dar certo, pois assim como ele, os outros familiares, amigos, namorada e pessoas próximas também acharam que não daríamos sequência nessa ideia. E isso nos motivou ainda mais em seguir adiante.

Temos muitos ídolos de diversas áreas, porém o que mais nos inspira é a arte, skate e surf. Dentro da arte são muitas referências, como músicos, bandas, fotógrafos, pintores, grafiteiros, designers, shapers, etc. Só pra citar alguns, temos Hugh Holland, Jim Phillips, MC Escher, Os Gêmeos, BrandonBoyd, Eduardo Kobra, Rory Russell, AlMerrick, Tom Wegener, Neco Carbone, Ogro, Antônio Carusone, entre vários outros. No esporte são inúmeros, a começar pelos lendários do skate, os Z-boys Alva, J-boy e Peralta, também Shogo Kubo, Hosoy, Steve Caballero, Natas Kaupas, Cliff Coleman, Rodney Mullen, Tony Hawk, Lincoln Ueda, Bob Burnquist, Pedro Barros, etc. No surf não é diferente, citamos Gerry Lopez, Mark Richards, Greg Noll, Tom Curren, Kelly Slater, Rob Machado, Taiu Bueno, Fábio Gouveia, Neco Padaratz e uma nova geração inspiradora como Dane Reynolds, Craig Anderson, John John, Adriano de Souza, Filipe Toledo, entre milhares de outros.

%name %title

%name %title

Algumas décadas atrás houve uma ruptura entre o surf e o skate, com a popularização do street e sua cultura de rua. Como vocês veem a relação entre o surf e o skate e pra que lado acreditam que essa relação está indo?

Atualmente o Surf e o Skate estão voltando a caminhar juntos, como nos anos 70. Podemos ver atletas da nova geração tanto do skate quanto do surf como Pedro Barros, John John Florence, entre outros, que praticam ambos os esportes e os usam como complemento para melhorar a performance, levando manobras de um pra outro.

Nos últimos anos estamos vendo uma popularização desses esportes, com mais espaço nas mídias de massa, com o crescimento das redes sociais e a interação que isso proporciona, expondo ainda mais esse lifestyle e fazendo com que influencie pessoas de diferentes perfis, que buscam um pouco mais de adrenalina e qualidade de vida. Vemos hoje o surf invadindo a cidade e o skate a orla das praias, por isso acreditamos que essa relação estará cada vez mais próxima no futuro, pois agora está bem mais clara a sintonia entre eles. São esportes que ultrapassam o limite de ser só um esporte e se tornam um estilo de vida, um jeito de ser e enxergar o mundo diferente de quem não os pratica, ou convive.

%name %title

O que podemos esperar de vocês (tanto Alex e Jonathan quanto Seiva) para o futuro próximo?

Nossa ideia é justamente aproximar o Surf do Skate, tornar ainda mais evidente a semelhança e suporte que um esporte proporciona ao outro, de forma a fortalecer esse lifestyle, por isso resgatamos os skates da época em que essa relação era ainda mais forte, para que hoje as pessoas absorvam com mais facilidade essas sensações. Acreditamos que o passado tem muito a nos oferecer como inspiração, buscar a essência é uma eterna descoberta e um aprendizado enorme, essa influência é o combustível para criar produtos originais e ser uma alternativa àqueles que buscam um produto único em meio a tantos industrializados.

Como somos grandes admiradores dos esportes de prancha, o complemento do nossa marca (Boards) sugere que não ficaremos apenas com a produção de shapes de skate, queremos expandir nosso mix de produtos para outros tipos de pranchas e acessórios, temos inúmeras possibilidades, mas nossa árvore será sempre nutrida pela seiva do Skate e Surf, desde a raiz.

%name %title

 

Entrevista Lucas Zuch

Introdução Amanda Oshida

Instagram