Surfari | Surfari entrevista: Rad Cars with Rad Surfboards Surfari entrevista: Rad Cars with Rad Surfboards | Surfari

Surfari entrevista: Rad Cars with Rad Surfboards

Surfari
Vivemos, respiramos e amamos o que fazemos

Arte e internet nem sempre são coisas que se misturam bem. Há controvérsias (como há para todo e qualquer assunto) sobre o que eu disse, mas o meu ponto quer dizer que pelo fato da internet ter feito de qualquer pessoa uma plataforma de mídia em potencial, muitas dessas pessoas usam esse meio para divulgar sua arte. Não quero soar um purista ranzinza que reclama de artistas e hipsters de plantão que “poluem o meu feed” com conteúdo medíocre, até porque não sou crítico, tampouco entendo bulhufas de arte moderna (ou qualquer arte, por assim dizer). Mas, como aquelas coisas que você olha e pensa: “só a internet pode proporcionar isso”; surge um desenhista de traço simples, quase infantil, que te cativa de uma forma inesperada. Descobrimos o ‘Rad cars with rad surfboards’ por acaso, como quase tudo na internet, e fomos obrigados a tentar descobrir um pouco mais sobre as mãos por trás dessa divertida expressão. Como é mesmo aquele papo do Raul? “Eu prefiro ser, essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião…”

Conheça um pouco mais sobre o artista Kevin Butler, responsável pelos carros irados:

 

%name %title

1968 Citroen AMI 6 & 10’ Oneill Intruder II (circa 1960).

 

Perfil (Nome, idade, formação, experiências anteriores):

Kevin Butler, 30 anos, bacharel em Belas Artes pela Academy of Art University, em San Francisco, ‘Major degree’ em Publicidade e ‘Minor degree’ em Ilustração.

Como você se envolveu com o surf? Quem/o que te motivou nesse caminho?

Eu crescia a algumas quadras da praia em Santa Cruz, Califórnia. Eu fui era um salva-vidas júnior e o surf constitui uma grande parte desse programa. Não foi realmente uma decisão. É algo que todo mundo vai e faz.

%name %title

 Como você começou a desenhar ‘rad cars with rad surfboards’ [carros irados com pranchas iradas]?

Eu desenhei o meu carro, um utilitário amarelo da Volvo, ano 1983, com as minhas pranchas no teto. Os meus amigos piraram, e como vários deles tinham carros irados eu fiz os carros deles. A partir disso realmente se tornou uma bola de neve.

%name %title

Que tipo de arte te influencia? Você se inspira em outras expressões artísticas?

Claro, eu aprecio todas as formas de expressão. Fotografia, música, literatura são os principais ramos que me trazem ideias e inspirações, mas curto até dança. Eu sou um terrível dançarino, mas eu adoro o tema.

%name %title


Você parece entender bem sobre mídia digital e as ferramentas para ter o seu trabalho bem divulgado. Quando você começou esse projeto? Você tem algum objetivo financeiro ou pessoal para atingir ou é apenas um meio de passar mais tempo dentro d’água?

Eu comecei há pouco mais de um ano. Apenas alguns carros por semana, desenhando um enquanto tomava uma cerveja à noite, ou no café da manhã. Eu não tenho nenhum objetivo financeiro com isso. Eu nunca pensei que a coisa poderia ter se tornado tão popular como tem sido, e tampouco pensei que poderia fazer qualquer dinheiro com isso. Mas quando eu vendi todas as peças (mais de 100) em minha primeira exposição, foi que eu percebi que poderia haver algum dinheiro nessa história. Nesse ponto, eu prefiro continuar fazendo isso porque eu amo. Mesmo que o dinheiro parasse de entrar, eu não pararia de fazê-los.

%name %title

%name %title

1972 Toyota FJ40 & 10’ Cooperfish V2 Malibu Foil

O que vem pela frente para Kevin Butler?

Estou trabalhando em uma surpreendente colaboração com uma marca muito irada, vai estar na rua no próximo ano (não posso falar sobre isso). Estou planejando mais algumas exposições. Austrália, França, Nova York devem ser as próximas.

E continuar desenhando carros irados que eu vejo pelas ruas.

%name %title

1968 Volkswagen Beetle & 9’5 Almond “Lumberjack”

%name %title

%name %title

O primeiro carro de Kevin.

Instagram