Surfari | Montgomery “Buttons” Kaluhiokalani Montgomery “Buttons” Kaluhiokalani | Surfari

Montgomery “Buttons” Kaluhiokalani

Surfari
Vivemos, respiramos e amamos o que fazemos

“O melhor surfista é aquele que mais se diverte”, certo? Subjetivo. Surfa melhor aquele que após uma cavada com pressão vai até o lip e solta o pé sem medo, ou aquele que faz um drop reto e fica feliz da vida com o feito? Fico com a primeira opção.

Porém, temos que admitir, com o profissionalismo do surf e a busca incessante por resultados em campeonatos, os atletas que buscam no esporte uma fonte de renda às vezes acabam deixando a diversão de lado… naquela máxima siga as regras para passar nas baterias.

Motivos que fazem muitos talentos não almejarem uma carreira bem sucedida no surf. Estes inadaptados herdam suas marcas não pelo número de troféus, mas sim pelo legado que deixam. Estamos falando de Montgomery “Buttons” Kaluhiokalani.
%name %title

Se você apenas ouviu falar deste ícone após portais de surf anunciarem a perda da batalha contra o câncer de pulmão, vamos explicar quem é esta grande lenda, que mais parece com a versão surfista de outra figura marcante dos anos 70, Jimi Hendrix.

Montgomery Ernest Thomas Kaluhiokalani, simplesmente mais conhecido como “Buttons”, foi um grande inovador do surf na década de 70. Inovador em todos os sentidos: manobras, espontaneidade, estilo, atitude, personalidade, tudo isso o fazia uma pessoa a frente de seu tempo.

%name %title

Foto: Jeff Divine

Curiosidade: o apelido veio de sua vó, que comparava seu cabelo cacheado com botões saindo de sua cabeça.

Nascido em Honolulu e criado no North Shore da Ilha de Oahu, Buttons cresceu influenciado por lendas como Gerry Lopez e Eddie Aikau.

Porém, é da região de Dogtown, em Los Angeles, Califórnia, onde Buttons teve sua maior inspiração. Assistir Tony Alva e Jay Adams realizando manobras nunca vistas em cima de um skate, fez com que a sua criatividade em cima de uma prancha de surf aflorasse, ao ponto de realizar cutbacks trocando de base, o que hoje seria ainda considerado como surf moderno.

%name %title

Fonte: pinterest.com

Com o início dos anos 80, veio o terceiro lugar no Pipe Masters, junto com um período de uso de drogas pesadas, fazendo com que Buttons desaparecesse da cena do surf por quase duas décadas, retornando, surfando melhor do que nunca diga-se de passagem, no final dos anos 90.

A luta contra as drogas teve seu fim em meados de 2007, onde sua história foi exposta ao público no reality show americano Dog the Bounty Hunter.

%name %title

Foto: Jay Watson.

Ao ser diagnosticado com câncer de pulmão, Buttons administrava sua escola de surf em Oahu, que carregava seu nome.

Seu legado, sua história, sua personalidade, seu pioneirismo, serão sempre lembrado por todos os surfistas que de alguma forma foram influenciados pelo seu estilo. Após seu falecimento, coincidentemente no mesmo dia da morte de outra lenda havaiana, Andy Irons, diversas homenagens foram feitas, não deixando dúvidas da grande herança que este surfista deixou para todos nós.

%name %title

Homenagem de Kelly Slater.

%name %title

Homenagem de Carlos Burle.

E, voltando ao início do texto, “O melhor surfista é aquele que mais se diverte”, com toda relatividade que envolve esta afirmação, neste caso, podemos afirmar, esta frase se encaixa perfeitamente com Montgomery “Buttons” Kaluhiokalani.

Descanse em Paz.

1958 – 2013 

Mahalo!

Clique aqui e confira a última entrevista feita por Buttons para o canal ESPN.

Texto: Cássio Cappellari

Instagram