Surfari | Influências do Design no Estilo de Surfar dos Anos 60 Influências do Design no Estilo de Surfar dos Anos 60 | Surfari

Influências do Design no Estilo de Surfar dos Anos 60

Já se perguntou como a tecnologia e o design das pranchas influenciam a forma de surfar? Logicamente não se trata apenas disto, geração após geração, atletas deixaram suas marcas e estilo. Mas conforme os equipamentos evoluíram, a performance do surfistas cresce vertiginosamente, abrindo novas fronteiras.

A mãe das short boards. Byron Bay, AUS, 1967.

O vídeo Hot Generation feito em 1967 por Paul Witzig é perfeito para entender esta relação. O filme é o primeiro de uma trilogia, que mostra tanto a transformação das pranchas de surf no final da década de 1960,  como o desenvolvimento (ainda tímido) de manobras básicas do esporte.

Hot Generation from Mollusk Surf Shop on Vimeo.

O vídeo  é um registro raro, com belíssimas imagens e uma trilha sonora instrumental que dá ainda mais valor ao material. Tratam-se de figuras lendárias do esporte, surfando um ”mar de brigadeiro” com o modelo que precedeu as pranchinhas de surf como as que usamos hoje. Reparem no surf com muito estilo!

A transição dos pranchões  dos anos 60 (maiores que 9’0 pés) para as pranchinhas  com alto desempenho (aproximadamente 6’0 pés), foi um modelo híbrido semelhante aos funboards de hoje (7’0pés). Alguns shapers e surfistas impulsionaram esta mudança, como George Greennough, Bob McTavish. As quilhas finas e profundas, com a curvatura de um rabo de atum, posicionadas mais para dentro, ainda eram novidade e conciliavam curvas sinuosas (pivot) com um aproveitamento muito maior da onda. O fundo em V (vee-bottom) dava mais velocidade, mas como vemos nas imagens, ainda faltavam acertos no shape e alguma manobras saem desajeitadas, além da dificuldade para se colocar dentro do tubo.

Novos design, estilos e manobras. Foto: Witzig

O surf destes caras é referência até hoje, começando a desenhar batidas, floater e ragadas, num tempo em que o estilo contava tanto quanto a habilidade de fazer manobras. A maior liberdade de movimentos é consequência direta do conjunto shape & quilha, permitindo aos surfistas a sua dança na parede da onda.

Aí veio a década de 1970, e a coisa começou a ficar mais radical. Surfando nesta session estão Nat Young, George Greenough, Midget Farrelly, Peter Drouyn and Rodney Sumpter. Bom, mas isso é papo para daqui a pouco.

 

Texto por Guilherme Pallerosi.
MADEIRA & ÁGUA

Instagram