Surfari | Gun, a lendária prancha de ondas grandes Gun, a lendária prancha de ondas grandes | Surfari

Gun, a lendária prancha de ondas grandes

As pranchas tipo Gun podem ser consideradas a peça mais mítica do quiver de pranchas do surf. E não por menos: são as pranchas para quem deseja surfar as maiores ondas dos 7 mares, desafiando (no braço) as piores iras de Netuno.

%name %title

Greg Long surfando em Waimea Bay. Foto: Gary Miyata

Este modelo surgiu nos anos 50, quando surfistas nativos do Havaí ou vindos da Califórnia, como George DowningEddie AikauGreg Noll e Miki Dora, começaram a descer ondas consideravelmente grandes e fortes. O nome “gun” vem da expressão “caçadores de ondas grandes”, logo, estas pranchas são as “armas” ideais para a caçada. Para surfar as ondas de Waimea Bay, que quebravam acima dos 20 pés, rápidas e violentas, as pranchas seguiram uma evolução sem paralelo, devido as condições que pediam um equipamento específico para manter o controle em alta velocidade. Talvez por isto que as Guns tenham adquirido o aspecto de carro de corrida, ou de um avião ultrassônico.

As características do shape Gun é uma prancha grande (normalmente acima dos 8 pés), com bastante flutuação, templete arredondado e fino, com um desenho semelhante a um míssil, e uma rabeta (pin tail) tão fina quanto o bico. Curiosamente, estas características não servem para obter velocidade, quem faz isso é a onda; a prancha se presta a manter o controle da prancha em uma situação extrema*.

*Nota do editor: Recentemente, ao enfrentar ondulações sem precedentes na história do surf de ondas grandes, os principais surfistas de alto nível (como Shane Dorian, Kohl Christensen, Danilo Couto, Carlos Burle, Greg Long etc.) têm optado junto a seus shapers pela construção de modelos maiores e com mais área de contato com a superfície. O objetivo é ter um maior ganho de velocidade para o momento do drop.

George Downing década de 1950 e as primeiras pranchas Gun

As Guns nasceram do intuito de surfar grandes swells sem ser tragado pela espuma da onda ou desgarrar na parede íngreme do desfiladeiro de água, quebrando na bancada logo abaixo. Um dos principais responsáveis por este shape foi o havaiano George Downing, um dos pioneiros a surfar ondas grandes no arquipélago, desbravador das ondas de North Shore e Maui, junto a outros surfistas da época.

Downing viajou para Califórnia nos anos 50 e descobriu as pranchas feitas com poliuretano e fibra de vidro, desenvolvidas por Bob Simmons e seus camaradas. Ao levar a novidade para o Havaí, aperfeiçoou o shape, unindo rabetas tipo pin tail, silhuetas que encaixavam melhor a prancha nas curvas das ondas, e outras inovações.

O interessante é que para conseguir o conjunto de medidas ideais visto nas pranchas Gun, Downing e os shapers da sua geração usaram princípios que remetem às ancestrais Olo, mas com um desenho moderno e hidrodinâmico. Olo eram as pranchas usadas exclusivamente por reis havaianos até aproximadamente o século XVIII, quando pegar boas ondas tinha um significado espiritual e político.

Certamente, a prancha Gun é uma peça representativa do design moderno do século XX, e ainda respeita os modelos ancestrais do surf. Sejam pelos princípios hidrodinâmicos universais ou arquétipos próprios do surf, estas pranchas merecem todo o respeito.

 

Por Guilherme Pallerosi, editor do blog Madeira & Água.

Instagram