Surfari | Clarisse Linhares Clarisse Linhares | Surfari

Clarisse Linhares

Surfari
Vivemos, respiramos e amamos o que fazemos
Clarisse Linhares, para quem não conhece, é uma pessoa diferenciada. Desde a adolescência, Clarisse despertou o interesse pelo descobrimento do novo e um olhar curioso que a levaria a diversos lugares ao redor do planeta. Paralelamente à esse interesse, formou-se em Comunicação Social (PP) e ministrava aulas de História da Arte em uma universidade de Porto Alegre (RS). Assim como muitos outros viajantes por natureza, Clarisse não se contentava com o óbvio e, junto com a amiga Mylene Rizzo, resolveu fazer seu próprio curso de História da Arte. A partir dessa empreitada emergiu a oportunidade de transformar o conhecimento adquirido nas andanças e estudos em um serviço. Surgia, assim, o Viajando com Arte. O Surfari tem o prazer de apresentar um pouco da visão de uma pessoa que claramente conectou os pontos e decidiu (passo muito importante para a realização de qualquer coisa) que havia muitos sorrisos e emoções a serem distribuídos para pessoas que admiram e gostariam de um pouco mais de ter a perspicácia de Clarisse.
%name %title

Paris, França.

– O que significa viajar para ti e para a tua vida?

Viajar foi desde sempre parte da minha vida, da minha estória. Quando eu fiz 15 anos todas as meninas queriam uma mega festa de aniversário e eu só queria  ganhar uma viagem. O presente demorou um pouco a chegar, mas com 18 anos fui morar um ano em Londres e de lá pra cá continuo totalmente apaixonada por conhecer novas culturas, novos lugares.

%name %title

Egito.

– Qual foi a tua primeira viagem inesquecível e o que mais te marcou nela?

Bem a primeira viagem a gente nunca esquece, o primeiro momento de total independência dos pais, da família, o desafio de ser você e só, de ter que se virar, trabalhar, e a parte muito boa de decidir o seu destino. Tipo eu poderia acordar um dia e resolver ir para Paris e ia.

%name %title

Capadócia, Turquia.

– Quão necessário/proveitoso é um planejamento de viagem bem executado?

Hoje em dia é fundamental o planejamento, infelizmente aquela idéia romântica de improvisar não tem mais muito espaço, a não ser que você disponha de tempo sobrando, mas viagem de férias tem que ser planejada para que a gente aproveite o máximo e não entre em roubada. As viagens se tornaram muito mais acessíveis hoje, o resultado disso são muito mais pessoas viajando, então a chance de você não entrar nas principais atrações dos lugares sem reserva é enorme. Imagina você ir à Roma e não conseguir ver a Capela Sistina, ou viajar até a Capadócia e não voar de balão? Tudo isso, hoje, precisa de reserva, e não é só isso, com a reserva antecipada você não precisa encarar aquelas enormes e desanimadoras filas.

%name %title

Kefallonia, Grécia.

– Tu já viajou sozinha? (Conta como um pouco das vantagens/desvantagens da jornada solo)

Já sim. Peguei um navio da Itália para a Grécia e, em Atenas, acabei me desencontrando do meu amigo, então passei uns dias pela Grécia sozinha. Como você colocou tem o ônus e o bônus de se viajar só. A parte boa é que você faz uma porção de amigos, você está mais aberta, disponível. Nos ambientes de hostel, só se você for muito fechado pra não fazer amigos, todo mundo está na mesma e a conseqüência disso é que nestes dias em Atenas acabei conhecendo muita gente e foi ótimo. Confesso que prefiro ter parceria para viajar, alguém pra partilhar as coisas que a gente está vivenciando, vendo, aprendendo.

%name %title

Bavaria, Alemanha.

– Dos continentes/países que tu visitou, qual cultura tu acha que todo mundo deveria conhecer/se espelhar um pouco?

Difícil essa pergunta… os lugares sempre tem coisas boas e ruins, mas este ano por exemplo fiz minha primeira viagem de bicicleta e escolhi começar pela Alemanha, achei que um país desenvolvido, organizado e com muita infra-estrutura para bicicleta seria o lugar perfeito. Correspondeu totalmente às minhas expectativas.

%name %title

Machu Picchu, Peru.

– Como surgiu o Viajando com Arte?

Depois de dar aula de História da Arte na PUC por quase 2 anos, resolvemos sair, eu e a Mylene Rizzo, e abrir nosso próprio curso de História da Arte. Formamos, então, o Encontros com Arte, onde damos vários cursos sempre fazendo um mix de História vs. Arte. A partir dos cursos surgiu uma demanda muito forte por parte dos alunos para que fizéssemos viagens acompanhando e mostrando as coisas “in loco”. Nosso primeiro destino foi Paris, uma cidade que dominávamos. O projeto deu muito certo e desde lá já fizemos lugares como Egito, Marrocos, Turquia, Rússia, Peru, Andaluzia, Itália. Para 2012 já temos 3 destinos programados.

%name %title

Rússia.

– O que vocês procuram numa viagem para compartilhar no blog?

Nas nossas viagens a gente sempre procura fazer coisas especiais, surpreender as pessoas. No Marrocos fizemos um trecho do deserto em lombo de camelo e depois acampamos sob uma lua cheia. Na Itália fizemos uma visita privada à Capela Sistina, imagine que estávamos só nós lá e os afrescos de Michelangelo. Na Turquia montamos um jantar nas ruínas de Ephesus sob uma lua cheia inesquecível e na nossa última viagem ao Peru inventamos um pic nic com vista para os terraços Incas. Isto tudo vai direto para o Blog, são experiências que compartilhamos para motivar as pessoas a fazer o mesmo.

%name %title

Clarisse rodeada de meninas egípcias.

– Qual é o próximo destino e o que se espera dele?

O sucesso do Peru foi enorme, então vamos repeti-lo em maio/2012 e depois vamos para a Rússia em junho. Cada viagem é diferente da outra, cada grupo tem suas particularidades, a Rússia é sempre uma surpresa, pois um país que ficou 70 anos fechado em um regime ditatorial ainda conserva muitas peculiaridades. Fora que é um lugar com muita riqueza cultural, grandes artistas, escritores fantásticos como Dostoievsky, Tolstoi, enfim, é um mundo a ser descoberto.

Maiores informações em:

Blog Viajando com Arte

Facebook Viajando com Arte

Fotos pertencentes ao Blog V.c.A.

Entrevista por Lucas Zuch.

Instagram