Surfari | Alma da Prancha | Assimétrica Alma da Prancha | Assimétrica | Surfari

Alma da Prancha | Assimétrica

Surfari
Vivemos, respiramos e amamos o que fazemos

A exposição ‘Alma da Prancha’ tem como objetivo expor histórias especiais entre o surfista e sua prancha. Seja naquela sessão, naquele tubo, naquela surftrip, ou naquele simples fato. Queremos dar oportunidade à todos nossos seguidores de participar conosco, revivendo e compartilhando bons momentos junto àqueles instrumentos que nos trazem tantas alegrias. Afinal, recordar é viver.

Clique aqui e saiba como participar.

Assimétrica (5’10” vs. 6’0″)

Shaper:  Gabriel Vicente

Proprietário: Lucas Zuch

Texto: Cássio Cappellari

Foto:  Lucas Zuch

%name %title

Surfar. Dançar. Duas atividades tão parecidas. Não há regras estabelecidas, modo certo ou modo errado. O que move o praticante é a busca pela plasticidade, beleza, estilo, peculiaridade, ou simplesmente… o instinto.

Dançar em um shape sobre a energia do oceano é uma atividade antiga, já praticada por reis no Havaí, passando por jovens na Califórnia e chegando à disseminação pelos litorais do planeta Terra. Olos, alaias, monoquilhas, biquilhas, triquilhas, e… será que paramos por aqui? A evolução das pranchas passou por várias fases, porém, se padronizou em um modelo muito utilizado em competições.

Todo mundo quer surfar igual aos seus ídolos, mas… se o surf é um esporte totalmente pessoal, assim como a dança, porque não aprimorar o seu próprio estilo? Então, “que tal uma prancha assimétrica?” Assim pensou Lucas Zuch, que, sob o olhar incrédulo de seu shaper Gabriel Vicente, tomou a decisão de aprimorar a pessoalidade em seu surf. A viagem era para a Califórnia e as direitas de Rincon seriam os testes perfeitos para toda aquela assimetria hidrodinâmica de comportamento muito peculiar nas ondas. De um lado, a sagacidade de uma quadriquilha, de outro a performance clássica das biquilhas. Apenas uma dica: ela funciona melhor em direitas

Tanto para Lucas como para Gabriel, uma descoberta havia sido feita. A beleza das coisas não está na simetria perfeita, e sim na particularidade de uma imperfeição. Assim como na dança, sinta o groove e desequilibre-se.

Instagram