Surfari | A Lente de Várias Faces, Lucas Tozzi. A Lente de Várias Faces, Lucas Tozzi. | Surfari

A Lente de Várias Faces, Lucas Tozzi.

A lente de várias faces. Pensar nessas palavras para falar um pouco sobre Lucas Tozzi foi um tanto quanto complicado. Conheci o trabalho fotográfico de Tozzi pela internet e logo a sua diversidade de fotos dentro dos esportes aquáticos me chamou atenção. O argentino, erradicado na Espanha, fotografa o Surf, o WindSurf, o Stand Up, Bodyboard e o KiteSurf com um olhar multifacetado. Acredito que são poucos aqueles que conseguem registrar diferentes esportes de uma maneira rica em cores e contrastes.

A lente de várias faces, ou melhor, Lucas Tozzi percorre o mundo da fotografia por vários caminhos. São fotos de ensaios, casamentos, moda etc. Porém, as suas fotografias de Surf nos chamam atenção por apresentarem momentos raros em picos espanhóis que raramente quebram e por registrar momentos singulares no mundo do Surf.

Confira a entrevista com Lucas Tozzi fotógrafo argentino.

Quem é o Lucas Tozzi? Qual a sua história como Pessoa?

Lucas Tozzi, hoje é apenas um fotógrafo. Não tenho um registro como fotógrafo. Também nunca fui um  e quem sabe, talvez um dia deixe de ser, pois tenho uma filosofia de vida que estou sempre buscando fazer o que eu gosto e nesse momento eu adoro fotografia. Nasci na Argentina e acredito que não tenha deixado o Porteño, pois o meu amor por carne, futebol e doce de leite ainda continuam. Toda a minha vida estive na Espanha e estou em todos os quatro cantos da Andaluzia (sul da Espanha). Desde os meus 13 anos fui hipnotizado pelas ondas, enquanto meus amigos estavam jogando futebol ou basquete. Quando não havia aulas, eu ia surfar, chegava em casa com a minha mochila e tentava esconder a roupa molhada, a marca no pescoço e o meu rosto cheio de sal… Coisas de criança.

Como começou a sua história com a fotografia? De onde veio o desejo de fotografar?
Oito anos atrás fiz uma viagem para Hong Kong em busca do meu primeiro equipamento de fotografia. Estudei Design Gráfico e naquele momento estava difícil conseguir imagens para trabalhar. A era digital abriu muito a porta para a fotografia. Desde criança eu sempre fui fissurado em registrar pequenos pedaços da vida e imortalizá-los de uma maneira pessoal com um apertar de botão. Durante a minha viagem, eu encontrei algo maravilhoso.

Para você o que é necessário para se fazer uma boa fotografia?

A mecânica da fotografia eu aprendi rapidamente e é algo extremamente simples. Você apenas tem que saber como funciona a sua câmera e interpretar os três meios pelos quais a mesma é regida: velocidade /abertura/sensibilidade. Dominando esses meios, você pode fotografar qualquer coisa. Em seguida, entra em jogo muitos outros fatores, por isso não se deve ser impaciente. Hoje tudo caminha muito rapidamente e na fotografia você precisa de tempo para assimilar certos conceitos. A pressa pode atrapalhar o seu desenvolvimento artístico e a fotografia, como em toda arte gráfica, é necessário certo tempo de dedicação. Com dedicação, sempre vem aquele momento lhe dá uma imagem de presente. Conhecimento e Dedicação, eu acredito que são a base de qualquer tipo de atividade que é feito na vida.

A Fotografia é permeada por vários nichos.  Você escolheu o surf como ramo principal?

Eu não escolhi o surf, antes de me tornar um fotógrafo, sou um surfista. A foto é uma fuga, combinar e experimentar algo que eu amo. Na fotografia do dia a dia, há pouco espaço para isso, porque o cliente quer algo específico e raramente se prestam a mudar, mas no surf eu tenho total liberdade de escolha.

Há fotógrafos que te inspiram?

Os momentos de Cartier Bresson, Richard Avedon, a contextualização do movimento de Ernst Haas, o Kitsch Arte LaChapelle, a virtualidade de Chema Madoz, a ironia de Erwin Olaf ou texturas de Andrzej Dragan… São tantos que seria impossível citar todos eles. No mundo do surf, há fotógrafos muito bons, mas eu chamei atenção suficiente fora do seu elemento básico (Waves / Surfers), em muitos casos, há um desequilíbrio. Além disso, uma das maiores fontes de inspiração para hoje são os milhões de usuários que compartilham seus momentos na web(fóruns, redes sociais, blogs, Instagram, Flickr, 500px).

Tozzi, quais as dificuldades em ser um fotógrafo de Surf? Você acredita ser possível viver somente desse tipo de fotografia?

No meu caso, o primeiro e mais importante é a localização geográfica. Eu vivo em um lugar (Andaluzia) que não é conhecido por suas ondas, embora ocasionalmente aconteça alguns Swells. Não há regularidade, mas acontece um punhado de dias por ano que você pode tirar boas fotos de surf. Não é o mesmo que ser fotógrafo no Havaí, Califórnia, Brasil, Austrália e Indonésia. Na Espanha, com exceção das Ilhas Canárias, no Sul rola poucas ondas e quando acontece no Norte falta algo tão fundamental como a luz. Você deve levar em conta o preço a pagar por este tipo de fotografia. A necessidade de lentes teleobjetivas de alta qualidade e uma caixa à prova d’água, faz você pensar que poderia ter investido em algo que produz mais benefícios, considerando os custos que a fotografia de Surf traz. Porém, a paixão pelo esporte, leva você a fazer esse tipo de investimento que muitas vezes não retorna. Muitas vezes me fiz essa pergunta. A fotografia de Surf não é o meu foco principal, mas é algo que me faz sentir vivo.

Existem uma série de fatores para uma foto de surf: boas ondas, boa luz, bons surfistas etc. Se você está em Fernando de Noronha, com 8 pés, vento terral e Gabriel Medina na água, o que o impede de fazer boas fotos? Nestes casos, “em terra de cego quem tem um olho é rei”. Outra coisa é fotografar na água, onde existem muito mais fatores, tais como: aptidão física, conhecimento das questões ambientais e do Surf. Sendo um surfista, como no meu caso, é muito mais fácil você antecipar manobras e pegar um momento certo. Quando fotográfo na água eu disfruto tanto como numa sessão de surf.

Qual o seu sonho como fotógrafo?

Uma mochila com uma “Hasselblad V”, CFV, um par de óculos e poder viajar o mundo sem preocupações.

Para conhecer mais o trabalho do fotógrafo acesse o seu site Lucas Tozzi.

Instagram