Surfari | 12 Fotos Analógicas por Demian Jacob 12 Fotos Analógicas por Demian Jacob | Surfari

12 Fotos Analógicas por Demian Jacob

Surfari
Vivemos, respiramos e amamos o que fazemos

Máquina de escrever. Fax. Disquete. Câmera de filme. Objetos cuja existência foi condenada pelo atropelo da inovação e da tecnologia. Ninguém tem tempo pra esses dispositivos analógicos que não respondem ao estímulo do dedo em um milésimo de segundo. Relegados à condição de artefatos hipsters por quem vê outras pessoas insistirem em querer sujar as mãos de tintas, de químicos ou de impaciência com a não-resposta, esses objetos (e seu uso) representam a última ponte entre os dias de hoje e o nosso obscuro, e não tão distante, passado. Aqueles que insistem no absurdo de renegar algo mais novo, mais instantâneo, não deveriam ser taxados de alternativos ou diferentes, mas de paleontólogos da Idade Contemporânea. O tema desta seção são as fotos analógicas sacadas por aqueles que insistem no absurdo, e transformam essa insistência em arte.

Demian Jacob talvez seja um do geógrafos/ambientalistas mais artistas que você vá um dia conhecer. O carioca graduado na ciência que estuda os fenômenos naturais e humanos que ocorrem na superfície terrestre na realidade enveredou cedo para os lados da arte, da fina arte, pós-graduando-se em comunicação e memória fotográfica. Demian, um advogado do filme, já escalado para fotografar com grandes marcas e expôs seu trabalho em algumas das mais conceituadas revistas nacionais e internacionais. Desde cedo habitando a beira do mar, afirma que a inspiração de todo e qualquer trabalho passa pelas memórias adquiridas na praia. Conheça um pouco mais sobre o trabalho de Demian, aqui.

Surfari: Qual o feeling te traz as fotos analógicas? Demian: Para mim a fotografia analógica é como se fosse uma gravura, só que esculpida pela luz. Cada vez mais eu trato a película como um suporte para a expressão do meu olhar. Gosto de pensar o tipo de filme que eu vou usar para cada situação e trabalho. Por exemplo, eu gosto de fotografar snapshots com PB, seria como meu caderno de anotações, ando sempre com uma câmera ‘point and shoot’ no bolso ou na mochila preparada para o que me chamar atenção. Gosto de misturar essas fotos com outras mais elaboradas, que faço com mais calma, às vezes desenvolvendo um tema.

Surfari: Qual a diferença entre pensar uma foto analógica e uma digital? Demian: O digital veio ao mundo para apresentar a realidade crua e sem graça, se você precisa realmente reproduzir a realidade nas cores, na textura, o digital está ali. Por muito tempo o desafio dos fotógrafos era reproduzir o mais perto possível da realidade o que os olhos humanos veem, mas isso é difícil com filme. O tipo do filme sempre vai puxar a foto para um lado, alguns deixam a imagem mais pálida, outros mais viva, e dependendo do filme que você usa a cor da mesma imagem muda. Por exemplo, se você fotografar um modelo com negativo terá cores mais pálidas, e se errar na exposição ele te ajuda; usando chromo isso já muda, as imagens ficam vivas nas cores, mas se errar na fotometragem ele sente esse erro. O analógico faz com que você pense a imagem antes de apertar o dedo. O digital a gente clica, vê como ficou e corrige, pensando cada vez menos na imagem à sua frente, preso cada vez mais a um aparato que faz tudo por você. Acho que é isso que a fotografia analógica nos faz pensar e parar para refletir sobre fotografia, um meio que cresce a cada dia.

Atelier - Rio de Janeiro - Polaroid 100 - Fuji 100

Atelier – Rio de Janeiro – Polaroid 100 – Fuji 100

 

Grumari - Rio de Janeiro - Câmera descartável HP5

Grumari – Rio de Janeiro – Câmera descartável HP5

 

Leme - Rio de Janeiro - BessaR3A - Trix 400

Leme – Rio de Janeiro – BessaR3A – Trix 400

 

Biarritz - C'ote Basque - Bessa R3A - Trix 400

Biarritz – C’ote Basque – Bessa R3A – Trix 400

 

Montagem - Contax G2 - Trix 400

Montagem – Contax G2 – Trix 400

 

Cidade das Artes - Rio de Janeiro - Contax G2 - Trix 400

Cidade das Artes – Rio de Janeiro – Contax G2 – Trix 400

 

Cidade das Artes - Rio de Janeiro - Contax G2 - Trix 400

Cidade das Artes – Rio de Janeiro – Contax G2 – Trix 400

 

Cidade das Artes - Rio de Janeiro - Contax G2 - Trix 400

Cidade das Artes – Rio de Janeiro – Contax G2 – Trix 400

 

Joá - Rio de Janeiro - Ricoh GR1 - Trix 400

Joá – Rio de Janeiro – Ricoh GR1 – Trix 400

 

Atelier - Rio de Janeiro - Polaroid 100 - Fuji 100

Atelier – Rio de Janeiro – Polaroid 100 – Fuji 100

 

Arpoador - Rio de Janeiro - Bessa R3A - Trix 400

Arpoador – Rio de Janeiro – Bessa R3A – Trix 400

 

Surfiction - Leica M6 - Provia slide

Surfiction – Leica M6 – Provia slide

O trabalho de Demian não se restringe aos stills analógicos, ele também coleciona um interessante portfolio de filmes em Super8, como o Alcalis, feito em parceria com os amigos da Galeria Fosco e que concorreu no Mimpi Film Festival de 2014.

Alcalis from demianjacob on Vimeo.

Instagram